"Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver” Amyr Klink

segunda-feira, 19 de março de 2018

O retorno...

Caraca, 06 meses... seis meses da última postagem, do último passeio de moto...

Problemas de saúde na família me fizeram dar um tempo, faltou cabeça, além de não poder me ausentar. Mas o tempo sempre é um remédio, muitas vezes amargo, mas sempre eficaz.

Nesse final de semana surgiram algumas motivações: minha esposa foi jogar Beach Tennis em um torneio em Brusque, também foi aniversário de nossa comadre, amiga, parceira Déia. Então resolvi que era hora de dar uma voltinha de moto, mesmo que pequena.

A Déia adora andar de moto, já tinha sido garupa minha em parte de uma das minhas primeiras viagens de moto maiores, para a serra catarinense em 2009, numa Suzuki Boulevard M800 (segue relato)

olha a Déia aí em 2009

Umas 9h30 saímos para Brusque, fomos pelo asfalto caminho normal, estava bem abafado, não tinha sol, mas muito quente. Chegamos lá no Clube Guarani e a Mi estava jogando, dupla com a parceira Kátia. Infelizmente perderam os dois jogos e foram eliminadas... assim só nós restou ir almoçar !


brinde da aniversariante !

Em Guabiruba município vizinho a Brusque tem um restaurante típico muito conhecido o Schumacher, mais de 60 anos servindo comida típica alemã, muito caseiro e farto. Fomos pra lá todos almoçar.

Marreco, Joelho de Porco e outras delícias...

Comentei com as meninas que na mesma estrada, seguindo em frente, é possível voltar pra Blumenau, mas por estrada de terra. A Déia topou na hora, se empolgou hehe

O caminho já era meu conhecido, só nunca tinha feito com garupa e a moto na época foi a F800 GS. A estrada passa por uma serrinha que chega a 350m de altitude, no meio da mata Atlântica beirando o Parque Nacional da Serra do Itajaí, acho muito lindo aquela região.


Trajeto tranquilo, garupa feliz, jogadoras acompanhando o trecho de carro, chegamos em casa tranquilos.



Para uma manhã de sábado de verão, valeu o retorno.
Parabéns Déia, muitas Felicidades e Sucessos sempre !!!

Um comentário:

  1. Depois de tanta luta, agora é hora de voltar para o asfalto. A Katia adorou a Cia!!!!

    ResponderExcluir